Relações Públicas

Apresentação:

O curso de Relações Públicas surgiu no Brasil como uma resposta às suas necessidades de relacionamento de organizações de prestação de serviços públicos com sua clientela, na década de 1910. Mais tarde, na década de 1960, ministérios e secretarias se seguiram, a reboque de estruturas criadas no âmbito de poder executivo, nas esferas dos três poderes. Num primeiro momento discutiu-se a sua inclusão como especialidade no campo da Administração, vencendo, porém, outra vertente – em meio ao regime militar (por ocasião da regulamentação da profissão, no período de 1967-1969), RP foi posicionada no âmbito da Comunicação Social.

Diferentemente do que ocorre no país onde nasceu a atividade, os Estados Unidos, as Relações Públicas no Brasil não se restringem ao relacionamento com a imprensa (media relations), mas enveredam pelo campo da opinião pública (no exterior a cargo da comunicação interna e do relacionamento com públicos de interesse, os chamados stakeholders), algo que, lá fora, fica a cargo de advogados e profissionais de outras formações, sob a função designada public affairs.

Hoje, com a redemocratização, as Relações Públicas dão-se em ambiente absolutamente diverso daquele em que nasceram, tendo-se adaptado de maneira exemplar ao exercício da transparência e da cidadania corporativa.

As Relações Públicas reafirmaram-se, como tem sido enfatizado pela mídia que cobre os mercados de trabalho, como um conjunto de instrumentos vital para a condução das organizações do século XXI, tanto no aspecto intra-organizacional quanto, sobretudo, no aspecto interinstitucional – sua vertente mais tradicional.

Criado em 1971, o curso de Relações Públicas da UERJ ganha cada vez mais credibilidade e importância no mercado e na academia e vem colaborando para a valorização e o respeito às atividades do profissional de RP no Estado do Rio de Janeiro. Na UERJ, no vestibular 2012/2013, foi a 8° carreira mais procurada, com o índice de 14,3 candidatos por vaga.

Uma das razões do reconhecimento da importância desta carreira está na crescente preocupação das organizações com seus públicos, em especial com a responsabilidade social e o gerenciamento da imagem institucional e da credibilidade. A dinâmica da globalização aponta o entendimento entre as organizações de seus públicos como um dos fatores que proporcionam grande destaque, seja em órgãos públicos, empresas privadas ou ONGs.

Histórico do Curso

Estrutura do Curso

Competências e Habilidades

Perfil do Profissional

Áreas de atuação